Projeto fortalece conscientização de jovens ribeirinhos

Projeto fortalece conscientização de jovens ribeirinhos

Com patrocínio da Petrobras, ações de manejo sustentável de peixes amazônicos ganham reforço da juventude.

Pequenas ações podem mudar o mundo. Você já deve ter visto e ouvido essa frase muitas vezes, talvez seja um clichê, mas as sementes plantadas a partir de pequenas ações realmente podem germinar. A constatação desse pensamento vem quando se observa pequenos projetos como o Jovem Cientista das Águas (JCA) que há oito meses, levou a equipe de pesquisadores do Programa de Educação Ambiental do Instituto Piagaçu (IPi) a navegar pelas águas do baixo rio Purus ancorando em comunidades ribeirinhas para transformar jovens em protagonistas de suas próprias vidas.

Dividido em quatro módulos, o Jovem Cientista das Águas fez sua primeira parada em setembro de 2014 na comunidade Pinheiros reunindo 100 jovens para falar sobre a conservação do meio ambiente, de lá para cá vem semeando os locais por onde passou, incentivando a inserção dos jovens na preservação do meio ambiente e no manejo sustentável de peixes da região.

“O Jovem Cientista das Águas surge da demanda de novas lideranças na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus para conduzir o manejo de recursos pesqueiros, então tentamos aliar os conhecimentos científicos e os tradicionais com atividades lúdicas promovendo o encontro de jovens” explica Camila Freitas coordenadora do Programa de Educação Ambiental.

Em dezembro do ano passado foi à vez da comunidade Cuiuanã sediar o encontro que durou três dias e teve como tema norteador a Biologia e Ecologia de Peixes, uma ponte fundamental que embasou o módulo seguinte ocorrido em março deste ano apresentando as etapas do manejo pesqueiro sustentável para a nova geração de ribeirinhos na comunidade Uixi.

Esse processo de formação continuada finalizou este mês na vila Itapuru com um tema central, a Organização Comunitária. De 14 a 17 de maio, cerca de 150 jovens das comunidades citadas além de Bacuri, Paricatuba e Nova Jerusalém, participaram do quarto e último módulo do encontro que contou com atividades lúdicas e teóricas envolvendo dinâmicas de sociabilização, mobilização e organização.

Árvore de Problemas

Um dos destaques durante o evento foi a árvore de problemas, momento em que os jovens fizeram o levantamento dos problemas encontrados em suas comunidades e desenvolveram planos para encontrar suas soluções.
A árvore de problemas fez parte das atividades do quarto módulo para estimular o trabalho em grupo entre os jovens e ao mesmo tempo fazer com que eles conheçam os pontos negativos existentes nos locais onde moram para poder lutar contra eles. Os problemas foram simbolizados por uma árvore onde as causas eram suas raízes e as consequências os galhos.

A dinâmica serviu para mostrar aos jovens que para solucionar problemas não adianta cortar os galhos, existe a necessidade de ter organização coletiva para tratar dos problemas nas suas raízes. Para isso, os jovens conheceram um pouco sobre os três poderes que regem o País (Executivo, Legislativo e Judiciário), uma oportunidade que a ribeirinha Francimara Gomes de Freitas, 18, não vai esquecer “Achei interessante porque se a gente souber quais são os poderes a gente poderia procurar eles para ajudar a resolver os problemas da nossa comunidade” ressalta a jovem.

Oficinas lúdicas

Entre as atividades lúdicas realizadas no evento tiveram as oficinas de circo com Rosival Dias, mágica com o mágico educador William Reis e origami com o arte educador Jefferson, todas com o intuito de promover o desbloqueio dos jovens e ajuda-los no desenvolvimento da participação, liderança, atitude e paciência.

De acordo com Rosival Dias, 48, que dá vida ao palhaço Curumim, trabalhar com o lúdico facilita o processo de aprendizagem “Nossa linha de trabalho é o envolvimento humano pela arte, e as atividades são desenvolvidas com foco principal nas iniciativas que privilegie o uso da educomunicação e arte educação como estratégia de ações de mobilização e formação de pessoas sensíveis às questões da sustentabilidade, inclusão social e cultural. Estimulando e fortalecendo as ações de protagonismo, empreendedorismo social e a inovação nos processos de formação” destaca Dias, arte educador que há 28 anos trabalha com esse processo.

A composição das oficinas encantaram os ribeirinhos da comunidade com um grande espetáculo feito pelos próprios jovens matriculados no JCA. O “GRAN CIRCO JCA”, conforme denominou Dias, foi uma novidade para as famílias ribeirinhas de Itapuru que vivem isoladas na floresta Amazônica onde a grande maioria nunca teria a oportunidade de presenciar esse tipo de show.

“O curso do Jovem Cientista foi muito bom, porque traz aprendizado para gente com coisas diferentes. O que eu vou levar para toda a vida...Vou lembrar  quando eu fui falar lá na frente. Eu vou começar a participar mais e perder a minha vergonha. Isso foi o que eu aprendi na oficina de mágica com o professor William e nessa apresentação do circo” comenta Adrielly de Souza, 13, moradora da vila Itapuru.

Metodologia utilizada

A ação Jovem Cientista das Águas está baseado na metodologia Verde Perto Educação, que incentiva a construção coletiva de conhecimentos utilizando diversos tipos de linguagem. É uma iniciativa que busca instigar a reflexão sobre temas relacionados à gestão e conservação dos recursos naturais.

O professor gestor da comunidade Itapuru, Luys Artriclino, participou do encontro e comentou seu ponto de vista “Falar do manejo foi importante, é o modo de sobrevivência dos povos que vivem nas comunidades e uma vez que esses jovens aprendam todas essas etapas do manejo dos recursos naturais, com certeza eles vão começar a fazer parte desse grupo de líderes. Essa característica do projeto, de formação do líder, do jovem comunitário para estar sempre presente, é importante” salienta o professor.

O IPi desenvolve o projeto Peixes da Floresta com o patrocínio da Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental e ações como essa do Jovem Cientista das Águas ajuda os comunitários mais novos conhecerem a fundo as atividades feitas por seus pais.

“O papel do Instituto é ajudar para que as coisas sejam feitas da melhor forma. Com assessoria técnica das atividades, garantindo que sejam sustentáveis e feitas conforme são solicitadas pelas leis que regem o manejo” evidencia Felipe Rossoni, presidente do IPi.

Protagonismo Jovem

As comunidades ribeirinhas instaladas, longe de grandes centros rurais e urbanos geralmente são pouco assistidas pelos órgãos governamentais vigentes. A comunidade de Nova Jerusalém é um exemplo desse déficit de atenção entre as comunidades situadas no baixo rio Purus.

As escolas não funcionam a maior parte do ano, a água tratada não existe e a energia bem como a comunicação pública é precária. Mesmo com essas dificuldades latentes, os jovens veem esperança para transformar esses lugares no melhor que eles podem realizar.

Miquéias Duarte, 21, é morador de Nova Jerusalém e não frequenta o ensino público, simplesmente, porque sua escola ainda não voltou a funcionar este ano. Apesar disso, é um jovem mobilizador e ao participar do primeiro módulo do JCA, aflorou suas habilidades de líder nato conseguindo trazer no último módulo do encontro onze jovens de sua comunidade para conhecer a metodologia aplicada pelo Programa de Educação Ambiental, a fim de despertar em seus colegas o interesse pela consciência ambiental.

“Quando o IPi veio eu entendi a importância de preservar. Antes era muito escasso, em extinção e com a implantação da Reserva está muito melhor. Desde o primeiro módulo eu me apaixonei e aí eu voltei para minha comunidade com vontade de mostrar que ‘pra’ ter  organização tem que ter regras e dessa vez eu consegui trazer mais pessoas” destaca Miquéias.

Miquéias é um exemplo de protagonismo juvenil que se destacou nas ações do Jovem Cientista das Águas e hoje foi convidado a fazer parte do conselho gestor da sua comunidade se tornando um dos frutos da formação promovida por essa ação implantada pelo Instituto Piagaçu dentro da Unidade de Conservação. Um estímulo para os jovens despertarem para a realidade das suas comunidades buscando inserção nas reuniões para tomarem decisões coletivas e contribuírem com o manejo sustentável dos peixes amazônicos.

A injeção de esperança deixada pelo Jovem Cientista das Águas é suficiente e palpável para os jovens saberem o passo a passo para continuar na luta pela melhoria de suas comunidades levando sempre em consideração a preservação do meio ambiente e as etapas do processo para que os recursos sejam utilizados de forma sustentável.

Atividade intermódudo JCA

Para celebrar o fechamento do quarto módulo do JCA, os jovens da comunidade de Nova Jerusalém criaram uma música a partir da atividade intermódulo que solicitava do grupo a criação de uma produção artística livre baseada no Estatuto da Juventude.

A equipe do Programa de Educação Ambiental objetivou com o exercício repassar aos jovens informações sobre os direitos que eles têm enquanto jovens que são parte da sociedade.

Confira abaixo a letra da música ‘Nossos Direitos’ de autoria dos jovens Miquéia Ferreira Duarte; Dayane da Silva Duarte; Janderson da Silva Rodrigues; Girlene da Silva Duarte; Edilson Protázio de Souza; Michele da Silva Duarte; Daniele Pinheiro de Araújo e Jackelline Duarte de Souza:

Jovem Cientista das Águas, nos deu a oportunidade
De mostrar nossos talentos e do que nós somos capazes

Sistema Nacional de Juventude mostra
Todos os nossos direitos que devemos saber
Respeito à identidade e valorização
Aos jovens que acreditam na preparação
De uma geração que sonha em viver
Em um mundo sem, desigualdade
Sem o preconceito podemos avançar
Para a educação, do meio ambiente melhorar

Cuidando dos direitos político e social
A educação é fundamental
Por nossos direitos devemos lutar
E nossas reservas vamos preservar

A criação de programas da educação ambiental
Nos da o direito de sermos tratados com igualdade
E termos oportunidades de bons aperfeiçoamentos intelectual, cultural e social
Sem preconceito de raças, cor sexo, nome físico e mental

A população tem que valorizar
A capacidade criativa dos jovens
E acreditar que o mundo pode se tornar melhor
Nossa participação, no desenvolvimento do País, é fundamental

Jovem Cientista das Águas, nos deu a oportunidade
De preservar a natureza com responsabilidade

Sistema Nacional de Juventude mostra
A importância e, a valorização
Do meio ambiente, nós devemos cuidar
Do bem estar das nossas reservas sustentáveis
Respeito e segurança para um novo futuro
Com bons costumes para as novas gerações

A Deus eu agradeço pela oportunidade
Saúde, paz, amor e muita felicidade